sábado, 10 de março de 2018

Bem-vindos ao país cristino [1]


Junte-se uns pozinhos de honestidade intelectual, ou de seriedade intelectual, e uma boa poeirada de consciência totalmente, completamente, perfeitamente e absolutamente tranquila, quanto mais adverbiada melhor, e temos um Portugal perfeito.



Luís Filipe Vieira, sobre isto

Fernando Tavares, sobre o mesmo assunto,



Entretanto, aguardo ansioso pelos 100 anos do arministício.  Há-se ser uma coisa em grande. Já só faltam oito meses.
____________________________________________
* «Afirmo, de forma peremptória, que estou de consciência totalmente tranquila. Não pratiquei qualquer ilícito que me possa ser imputado.»
Desculpem lá, mas a frase, por tão fabulosa, merece vitrina, visibilidade oficial. É um tratado de enxúndia, redundância e até de suprema ratice. De facto, o presidente do Benfica não afirma, peremptório, que não tenha praticado qualquer ilícito imputável a outrem...
Mete dó e faz-me rir.

quinta-feira, 8 de março de 2018

Meninas e moças

Homens, parceiros, namorados, maridos.
Abusadores, violadores, criminosos, assassinos.
O demónio é macho, sabemo-lo.
Nenhum dos quatro países nominalmente referidos pela AMVC - Associação de Mulheres Contra a Violência, no Diário de Notícias de hoje, integra a galáxia islâmica. Vá lá saber-se porquê...
Malhar nos Estados Unidos é um afrodisíaco clássico na civilização inclusiva.

Nada de novo, mas lá que o feminismo de cartilha me fode os cornos, ai isso fode. Numa palavra, enerva-me.
Por isso, sugiro à AMCV que em próximo texto publicitário considere pelo menos mais dois itens sensibilizadores do povo em geral: um sobre o inebriante privilégio ontológico que é "Ser-se Mulher no Islão, em nome de Alá e de Maomé", outro sobre as delícias da mutilação genital feminina, em nome do multiculturalismo*.
Isto, claro, se o achincalhante risco de discurso islamofóbico ou xenófobo a não dissuadir.
_______________________________
* Por exemplo,
Onze mil meninas e mulheres foram ou serão excisadas ou infibuladas, quase todas às mãos doutras mulheres**. Fonte»

** Na Guiné-Bissau chamam-se 'fanatecas'.