terça-feira, 17 de novembro de 2015

TAP - Última hora

«O que eu acho extraordinário e que os portugueses têm que perceber é que […] este país, que está sobrecarregado de impostos, não consegue manter uma empresa que é vital para o país, mas um senhor muito respeitável que tem uma empresa de camionetes* pode. […] Todos os argumentos que possam invocar são argumentos completamente falaciosos.»

Pois eu acho extraordinário, coisa que os portugueses talvez gostem de saber, é que um letrado senhor respeitável que faz umas fitas fortemente financiadas com impostos dos portugueses**  não consiga contar até oito que são por acaso as letras de Pasolini e de Pascoaes.

Os deuses nos salvem, e sobretudo aos trabalhadores da TAP, destes iluminados salvadores da TAP.

ora! Última hora! Última hora! Última hora! Última hora! Última hora! Última h
____________________________________
* Não faltarão motivos a Humberto Pedrosa [2500 autocarros, 1200 camiões, Fertagus, Metro Transportes do Sul] para chamar a António-Pedro Vasconcelos aristocrata de pacotilha, rico pedinte ou, numa simples palavra mantendo-o ao nÍvel, carroceiro.

** Por exemplo, no medíocre "Call Girl" gastou este país, sobrecarregado de impostos, 650 mil euros. Mas admito: "Call Girl" não é vital para o país.